Beleza na gravidez: o que pode e o que não pode

Não há dúvida de que a gravidez é um momento lindo, cercado de sonhos e expectativas. Também é uma fase delicada para muitas mulheres, por conta das imensas transformações que acontecem no corpo. Apesar das restrições, existem diversas formas de cuidar da beleza durante os nove meses sem comprometer a saúde do bebê. A seguir, entenda por que alguns tratamentos devem ser abolidos na gestação (e durante a amamentação) e os caminhos alternativos a eles. Só lembre-se de conversar como seu obstetra antes!

skafe-quero-pintar-cabelo

Cremes com ácidos

Por que não pode: Extremamente químicos e altamente absorvidos pela pele, os ácidos, principalmente o salicílico, retinoico e seus derivados, são os mais perigosos. Não há estudos específicos sobre como agem negativamente, mas, como entram em contato com o tecido dérmico e caem na corrente sanguínea, eles certamente chegam até a placenta. Em maior ou menor concentração, podem afetar a formação do feto.

Alternativa: Por ser mais suave e ter pouca absorção, o ácido azelaico é o único liberado na gestação (a partir do quarto mês). Cremes formulados com até 10% de ácido glicólico também são seguros. Ambos ajudam no controle da oleosidade e no tratamento da acne e podem ser usados como clareadores de manchas.

Peeling

Por que não pode: Como são feitos com ácidos em alta concentração para provocar a descamação da derme, é ainda mais contraindicado do que os cremes, pelos mesmos motivos citados acima.

Alternativa: O único peeling indicado para grávidas é o de cristal. Também chamado de microdermoabrasão, ele é físico, ou seja, não tem química. Funciona com uma ponteira de cristal, que faz a esfoliação da camada mais externa da derme. É mais superficial que os peelings de ácido, mas é seguro e eficiente para tratar manchas, rugas e estrias.

Limpeza de pele

Por que não pode: A limpeza em si não é contraindicada para gestantes, mas é preciso tomar cuidado com a forma como é feita. Os cremes e sabonetes à base de ácidos, por exemplo, não podem ser usados. O aparelho de alta frequência, normalmente utilizado pelo efeito cicatrizante e bactericida, também é proibido.

Alternativa: Trocar todos os produtos que contenham química pelos com ingredientes naturais, como sabonete de chá verde e tônico de aloe vera. No lugar dos aparelhos de eletroterapia entram a máscaras de argila ou de carvão ativado, 100% seguras e orgânicas. Essa segunda opção é relativamente nova como tratamento estético e muito indicada pela ação descongestionante, cicatrizante e anti-inflamatória.

Continue lendo

Compartilhe:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *